Estudar em casa: primeiros passos

Todos os professores estão aprendendo com esta nova forma de interagir com os alunos. É natural, portanto, que encontremos ritmos e formas de atuar diferentes.

Sabemos que os alunos deverão também aprender a lidar com esta situação, que nem todos tem acesso fácil ao portal (se ainda é problema, acesse aqui) ou estão familiarizados com o uso da internet.

Nenhum aluno será prejudicado em razão de dificuldades decorrentes desta nova forma de interagir. Buscaremos soluções para todos os casos individuais.

Uma premissa básica norteia nossas ações atuais: todas as previsões realistas indicam que a paralisação das aulas presenciais deve se prolongar por 4 semanas ou mais. Os alunos estão em casa, demandando atividades e querendo continuar a aprender. Os professores estão disponíveis, mesmo que com a vida mais complicada, como todos.

A prioridade, no momento, é tornar esta dinâmica produtiva, agradável e motivadora para os alunos. Nesta primeira semana, os professores estão privilegiando a consolidação de conteúdos já trabalhados.

A introdução de assuntos novos se dará progressivamente, à medida em que todos tiverem acesso ao portal e se familiarizarem com as novas dinâmicas e ferramentas.

Dois temas serão tratados em outros comunicados, pois dependem da duração da quarentena e de decisões governamentais, ainda imprevisíveis: avaliações e reposição de aulas. Todas as soluções que serão apresentadas levarão em conta aspectos pedagógicos (resultados do trabalho online, necessidade de reposição do conteúdo, avanços dos alunos, etc), questões legais e questões práticas, como a rotina das famílias, as férias dos alunos e dos professores, etc.

Levaremos sempre em conta as condições diferenciadas de participação dos alunos, os aspectos legais e nosso compromisso com a qualidade do ensino.

Repetimos: nenhum aluno será prejudicado em razão das dificuldades do momento.